Pular para o conteúdo principal
faixa Luto Pela Vida

EEL perde um de seus maiores cientistas. Prof. Pinatti o “Pai do Nióbio”

Por Simone Colombo

 

Com enorme pesar a Escola de Engenharia de Lorena (EEL) da USP recebeu na data de hoje, 23/07, a notícia do falecimento do Prof. Dr. Daltro Garcia Pinatti, o “Pai do Nióbio”. Professor Pinatti era Professor Honorífico da USP, o primeiro da modalidade. O título foi solicitado à Congregação da Unidade pelo Conselho do Departamento de Engenharia de Materiais e outorgado pela USP em reunião solene realizada em 26 de junho de 2015, informa o Prof. Dr. Durval Rodrigues Jr., Vice-Diretor da EEL e colega de pesquisas do Prof. Pinatti há décadas. Dia 26/07, Professor Pinatti faria 81 anos.

 

Cientista de alto nível foi o Prof. Pinatti deu início ao Projeto Nióbio. Comandadas por ele, as pesquisas na área foram concentradas em Lorena, avançaram e modificaram o cenário brasileiro de exportação do produto. 

 

Projeto Nióbio: Em 1981, foi instalada no atual Departamento de Engenharia de Materiais da EEL, a planta de fusão e refino de metais refratários. A máquina foi projetada pesquisador Daltro Garcia Pinatti em cooperação com a empresa alemã Leybold-Heraeus. A partir da instalação desse maquinário e do desenvolvimento da tecnologia de produção de nióbio o metal passou a sair do País em formato de ‘lingotes’, com um valor agregado muito superior ao que era exportado quando sob a forma de minério.

 

Lorena passou então a abastecer a demanda nacional de nióbio, molibdênio, titânio, tântalo e suas ligas para atividades de pesquisa. Na década de 80 saíram do Departamento de Engenharia de Materiais cerca de 80 toneladas de nióbio recorda a Professora da EEL Dra. Rosa Ana Conte, amiga e parceira de pesquisas do Prof. Pinatti.

 

O modelo adotado pelo Projeto Nióbio assegurou um retorno tecnológico industrial significativo ao País” conclui a Professora. O material beneficiado chegou a ser exportado para vários países, principalmente Alemanha, Áustria e Japão.  Por dez anos, a unidade de Lorena prestou serviços à CBMM - Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração até que ela implantasse seu próprio forno industrial de fusão e refino de nióbio.

 

Segundo a profa. Rosa Conte, outra grande contribuição do projeto Nióbio para o país foi a formação de recursos humanos de alto nível.  “Fomos à época e, de certa forma ainda somos, referência para o desenvolvimento de tecnologias para várias empresas atuando nas áreas de mineração, fundição, conformação mecânica, e no desenvolvimento de equipamentos e protocolos para controle de qualidade dos metais e ligas especiais. Até hoje os profissionais formados no âmbito do Projeto se destacam em posições chaves em indústrias e instituições de pesquisa de porte no Brasil e no Exterior” acentua Rosa Conte.

 

A homenagem recebida em 2015 foi uma forma de a EEL demonstrar ao pesquisador a imensa consideração e o reconhecimento por tudo que foi realizado profissionalmente pelo Prof. Pinatti, que, mesmo após a aposentadoria, continuou prestando serviços à EEL como pesquisador visitante.

 

Pinatti era um profissional extremamente dedicado ao desenvolvimento de tecnologias inovadoras com perfil altamente empreendedor.  De perfil criativo, ele possuía dezenas de patentes registradas na área tecnológica.

 

Em 2008 o Prédio principal do Departamento de Engenharia de Materiais recebeu o seu nome.

 

Prof. Pinatti deixou um grande legado científico e centenas de discípulos. A EEL está consternada com a enorme perda.

 

Aos amigos e familiares nossos mais profundos e sinceros sentimentos.

_ _ _